quinta-feira, 25 de junho de 2009

O Monitor

O monitor também perguntou, e eu, na minha ausência de ser monitorado por alguém competente que pudesse nos passar seus conhecimentos ao invés de nos desafiar com ele, não consegui responder antes do próprio.

Perguntou-me ele que cuidados devem ser ministrados a uma senhora com diabetes gestacional.

Para começar, deve ser solicitada para o diagnóstico, continuamente, com o objetivo de se avaliarem as possíveis complicações da doença, a seguinte lista de exames (provinda de http://www.fmrp.usp.br/revista/2000/vol33n4/protocolo_deteccao.pdfbr/revista/2000/vol33n4/protocolo_deteccao.pdf):

- Hemoglobina glicosilada (HbA1c)
- Proteínas totais e albumina
- Proteinúria de 24 h ou microalbuminúria
- Lipidograma
- Uréia e creatinina
- Sódio, potássio e cálcio séricos
- Ácido úrico
- Urina rotina
- Urocultura
- Fundoscopia
- ECG

A base do tratamento da cidadã com diabetes de mellitus é o tripé monitoramento glicêmico, insulinoterapia e orientação nutricional. A insulinoterapia é indicada para um menor número de casos; apenas aqueles em que não se consiga melhoras somente com o tratamento nutricional. Uma observação importante é que antidiabéticos orais não devem ser utilizados durante o período gestacional.

Dieta
A parte principal do tratamento é a dietoterapia e é a única necessária na maior parte dos casos. A dieta é individual, se adequando às características e necessidades de cada gestante, e deve ser ministrada à mulher de uma a duas semanas. O ideal ganho de peso costuma ser inversamente proporcional ao peso anterior à gravidez. Quantitativamente, a dieta deve ser composta de 35 a 40% de carboidratos, de 20 a 25% de proteínas e de 35 a 40% de lipídeos. Os carboidratos simples devem ser evitados devido aos seus efeitos causadores de hiperglicemia brusca. Dependendo do Índice de Massa Corpórea (IMC), o cálculo calórico deve ficar entre 25 e 40kcal/kg. Devido ao grande risco de cetonemia, dietas com quantidade calórica abaixo de 25kcal/kg/dia só devem ser feitas em casos especiais, como o de obesidade mórbida.

Terapia à base de insulina

Nos casos em que se faz necessária a insulinoterapia em gestantes, devem ser usadas insulinas humanas (normalmente quando as taxas de glicose ficam acima de 105mg/dl em jejum ou de 130mg/dl após 2 horas da refeição)

Inicialmente, utiliza-se insulina de ação intermediária em uma dose matinal. Quando há apenas a hiperglicemia de jejum, pode-se iniciar com uma dose de ação intermediária ao deitar. A adequação do esquema de doses deve ser feito considerando-se o controle glicêmico e o ganho de peso, podendo-se utilizar doses múltiplas de insulina de ação intermediária associadas ou não à de ação rápida.

É comum haver necessidade do aumento da dose de insulina no fim da gravidez, o que atesta o aumento da resistência ao hormônio.

Atividades Físicas
Se você acabou de passar no vestibular, atividades físicas são aquelas coisas que você largou no meio do terceiro ano e durante o cursinho, e não um livro do newton cheio de exercícios. Eles são bastante recomendados para gestantes diabéticas, contanto que não sejam extenuantes; não causam contrações uterinas nem estresse fetal. As cidadãs que já praticavam alguma exercício, antes de descobrirem que há um seio de vida no mais profundo do seu âmago (vulgo gravidez), devem continuar a praticá-los. Para sedentárias, obesas e mulheres relativamente idosas, recomendam-se exercícios aeróbicos, como caminhadas, se possível supervisionados.

Internação
Deve ser feita quando os níveis de glicemia ultrapassam 200mg/dl. O acompanhamento é semelhante ao ambulatorial, sendo que deve-se reorientar o perfil nutricional e deve haver contínuo acompanhamento dos níveis glicêmicos.

O Parto
A ocorrência de diabetes gestacional não obriga o parto cesárea. A indicação do tipo de parto deve ser feito por indicação obstetrícia, sendo necessário o preparo dos níveis glicêmicos para a chegada saudável do novo integrante desse belo e justo mundo em que vivemos.

As indicações completas do acompanhamento pré-natal e neonatal estão bem definidas em textos da bibliografia adiante.

Companheiro a quem dediquei este texto, espero que tenha podido satisfazê-lo!



Bibliografia

7 comentários:

  1. "O monitor também perguntou, e eu, na minha ausência de ser monitorado por alguém competente que pudesse nos passar seus conhecimentos ao invés de nos desafiar com ele, não consegui responder antes do próprio."

    ui ! Melhor eu não me meter nisso !

    ResponderExcluir
  2. Tranquilo professor, é apenas uma pequena e indignada observação! Apenas me parece importante não ser passivo em ocasiões que nos agridem, física ou intelectualmente!
    Mas é isso aí, curto muito o dito do meu companheiro Gandhi, "não procurem caminhos para a paz, pois a paz é o único caminho"; entretanto, ficar queto todo o tempo não denota paz, e sim opressão!

    obs.: não sou comunista...

    ResponderExcluir
  3. Eu sou muito pouco perceptivo dessas situações, pois sou muito desatento (fico preso demais em meus pensamentos...). Mas eu sou sempre pela liberdade de expressão. De qualquer forma, é importante não condenar as pessoas antes de ouvi-las.

    :o))

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir